Máscara de pedra com mais de 9.000 anos


27 Fev

A Autoridade Arqueológica Israelita apresentou quarta-feira, 28 de novembro de 2018 em Jerusalém, uma rara máscara de pedra com cerca de nove mil anos associada ao desenvolvimento do culto aos ancestrais coincidindo com a sedentarização dos homens.

A máscara, que remonta ao início do Neolítico (New Stone Age), foi descoberta por um caminhante, disse o arqueólogo responsável, Ronit Lupu. As autoridades israelitas foram informadas no início de 2018 da existência desta máscara, após contactos com o “descobridor” da peça. A máscara, cortada num calcário com tons de rosa e amarelo cuidadosamente trabalhados e polidos, "tem uma rcomposição muito naturalista, você vê as bochechas, o nariz está perfeitamente restaurado", disse Lupu. Orifícios foram criados para os olhos e os dentes aparecem na boca. "É uma máscara rara, a mais recente foi descoberta há 35 anos (...) Mas o que é especial é que sabemos de onde vem, conhecemos o contexto arqueológico", disse Lupu. O período viu um desenvolvimento espetacular de rituais de natureza espiritual e ancestral, atestado pela descoberta de figuras de forma humana, crânios cobertos com gesso e máscaras de pedra, disse Omry Barzilai, um pesquisador citado numa declaração da Autoridade. Lupu, questionada pela AFP, não manteve detalhes sobre a identidade do descobridor da máscara.

 

Por: Sciences et Avenir avec AFP

 

Pedro Carreira, comercial

 

« Voltar ‹ Anterior Próxima ›